domingo, 1 de agosto de 2010

Quando apelar para o reforço escolar para seu filho?

Dificuldades de aprendizagem podem ser superadas com a ajuda de um professor particular


Ao fim de cada semestre letivo, a história se repete. Enquanto alguns alunos estão planejando o que vão fazer nas férias, outros estão preocupados em resolver o problema das notas vermelhas no boletim. Mas nem sempre o mau desempenho está associado à falta de interesse. No caso de Pedro Henrique Maia de Oliveira, 13 anos, o problema era a proximidade com os colegas de classe.
– Eu era muito bagunceiro e conversava muito – admite o estudante.
O resultado de tanta interatividade foram notas baixas e dificuldade de concentração em sala de aula. Assim como Pedro, muitos estudantes também não conseguem atingir os objetivos da escola – e não são os únicos que ficam frustrados por isso. Preocupados, os pais procuram cada vez mais ajuda profissional para livrar seus filhos da recuperação.
A dificuldade em matemática foi o estopim que levou Pedro à aula de recuperação. Durante a tarde, o estudante revisava e tirava dúvidas da matéria vista pela manhã. O problema é que, para frequentar as aulas extraclasse, Pedro precisou abrir mão de algumas horas de lazer.
– O tempo que eu passava estudando poderia estar fazendo hipismo – lamenta.
Mas o sacrifício valeu a pena: após dois anos de aulas de reforço e tutoria, as notas mudaram - assim como o comportamento do adolescente, que ficou mais responsável e organizado.
– Aprendi a fazer uma agenda com tudo o que eu tenho que fazer no dia seguinte – diz, orgulhoso.

Para os pais
:: Auxílio de uma pessoa mais experiente para fazer as tarefas é importante para a criança.
:: Reserve um cômodo próprio para que a criança realize tarefas intelectuais, como os deveres escolares.
:: Deixe lacunas na agenda dos pequenos. Muitas atividades impedem que as crianças se dediquem à escola, que deve ser prioridade.
:: Observe a rotina de seu filho. Dorme tarde e acorda cedo? Alimenta-se na hora certa? Fixe horários.

Para os filhos
:: Visualizar imagens fora da proporção normal incentiva atiça a curiosidade e o cérebro das crianças. Pensar em duas coisas lado a lado e com tamanhos proporcionais pode parecer engraçado, mas é uma estratégia eficiente para aguçar o intelecto dos pequenos.
:: Os processos mneumônicos podem ser uma boa opção para decorar fórmulas. Por exemplo: a fórmula N = m.x vira a frase "Não mexe".
Fontes: Christiane Fernandes Diniz, pedagoga; Luciana Félix e Márcio de Albuquerque Marçolla, franqueados de uma empresa de reforço escolar, Eika Lobo Junqueira, psicóloga e psicoterapeuta, e Lúcia Helena Pulino, psicóloga
 
ZERO HORA - MEU FILHO - 26/07/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget